Pesquisar este blog

domingo, 4 de dezembro de 2016

PRIMEIRO ESTUDO A Reação Determinante á Revolução. (PROUDHON)

1. A Força Revolucionária

     Hoje em dia, de um modo geral, tanto entre homens de opinião avançada como entre conservadores, é uma opinião que uma revolução, corajosamente atacada por sua incipiência, pode ser interrompida, reprimida, desviada ou pervertida; Que apenas duas coisas são necessárias para isso, sagacidade e poder. Um dos mais ponderados escritores de hoje, M. Droz, da Academia Francesa, escreveu um relato especial dos anos do reinado de Luís XVI, durante o qual, segundo ele, a Revolução poderia ter sido antecipada e impedida.
     E entre os revolucionários do presente, um dos mais inteligentes, Blanqui, é igualmente dominado pela idéia de que, com força e habilidade suficientes, o Poder é capaz de conduzir o povo aonde quiser, de esmagar o direito, de aniquilar O espírito da revolução. Toda a política do Tribuna de Belle-Isle - peço a seus amigos que o interpretem em boa parte - bem como a do Acadêmico, brota do medo que tem de ver triunfar a Reação, um medo que eu Não tenho medo de chamar, na minha opinião, ridículo. Assim, a Reação, o germe do despotismo, está no coração de todos; Ela se manifesta no mesmo momento nos dois extremos do horizonte político. Não é menos entre as causas de nossos problemas.
     Pare uma revolução! Isso não parece uma ameaça à Providência, um desafio lançado ao destino inflexível, em uma palavra, o maior absurdo imaginável? Pare a matéria de cair, chama da queimadura, o sol do brilho!
     Tentarei mostrar, pelo que está passando diante de nossos olhos, que assim como o instinto de conservadorismo é inerente em toda instituição social, a necessidade de revolução é igualmente irresistível; Que cada partido político se torne revolucionário e reacionário; Que esses dois termos, reação e revolução, correlativos uns aos outros e mutuamente implicados entre si, são ambos essenciais à Humanidade, não obstante os conflitos entre eles: para que, para evitar as rochas que ameaçam a sociedade à direita e à esquerda , O único caminho é a reação de mudar continuamente de lugar com a revolução; Exatamente o contrário do que o atual Legislativo se orgulha de ter feito. Acrescentar às queixas e, se me permite usar a comparação, engarrafar a força revolucionária pela repressão, é condenar-se a limpar em um limite a distância que a prudência nos aconselha a passar gradualmente e a substituir o progresso por saltos e empurrões Para um avanço contínuo.
     Quem não sabe que os soberanos mais poderosos se fizeram ilustres se tornando revolucionários dentro dos limites das circunstâncias em que viviam? Alexandre da Macedônia, que reuniu a Grécia, Júlio César, que fundou o Império Romano nas ruínas da república hipócrita e venal, Clovis, cuja conversão foi o sinal para o estabelecimento definitivo do cristianismo na Gália e, em certa medida, a causa Da fusão das hordas francesas no oceano galo. Carlos Magno, que iniciou a centralização das terras livres, e marcou o início do feudalismo, Louis o Gordo, querido ao terceiro estado por causa do favor que ele estendeu às cidades, São Luís, que organizou as corporações de artes e ofícios, Louis XI E Richelieu, que completou a derrota dos barões, todos realizaram, em graus diferentes, atos de revolução. Até mesmo o execrável massacre de Bartolomeu foi dirigido contra os senhores, e não contra os reformadores, na opinião do povo, concordando a esse respeito com Catherine de Médicis. Não foi até 1614, na última reunião dos Estados Gerais, que a monarquia francesa parece abjurar sua função de liderança e trair sua tradição: o 21 de janeiro de 1793 foi a pena por seu crime.
     Seria fácil multiplicar exemplos; Qualquer pessoa com o menor conhecimento da história pode fornecê-los.
     Uma revolução é uma força contra a qual nenhum poder, divino ou humano, pode prevalecer: cuja natureza deve ser fortalecida e crescer pela própria resistência que encontra. Uma revolução pode ser dirigida, moderada, retardada: Acabo de dizer que a política mais sábia consiste em ceder a ela, pé a pé, que a perpetua evolução da Humanidade possa ser realizada insensivelmente e em silêncio, em vez de grandes avanços. Uma revolução não pode ser esmagada, não pode ser enganada, não pode ser pervertida, ainda mais, não pode ser conquistada. Quanto mais você a reprime, mais você aumenta sua repercussão e torna sua ação irresistível. De tal modo que é precisamente o mesmo para o triunfo de uma idéia, seja ela perseguida, assediada, espancada durante o seu começo, ou se ela cresce e se desenvolve sem obstruções. Como a Nemesis dos antigos, a quem nem as orações nem as ameaças podem mover-se, a revolução avança, com passo sombrio e fatal, sobre as flores lançadas por seus amigos, através do sangue de seus defensores, através dos corpos de seus inimigos.
     Quando as conspirações chegaram ao fim em 1822, alguns pensaram que a Restauração havia superado a Revolução. Foi nessa época, sob o governo de Villèle, e durante sua expedição a Espanha, foram-lhe lançados insultos. Pobre tolos! A Revolução tinha passado: estava esperando por você em 1830.
     Quando as sociedades secretas foram divididas em 1839, após os ataques de Blanqui e Barbès, novamente se acreditou que a nova dinastia era imortal: parecia que o progresso estava a seu comando. Os anos que se seguiram foram os mais florescentes do reinado. No entanto, foi em 1839 que entre os homens de negócios da coalizão começou uma séria desafectação entre o povo pelo levante do 12 de maio, que terminou nos acontecimentos de fevereiro. Talvez com mais prudência, ou com mais ousadia, a existência da monarquia, que se tornara flagrantemente reacionária, poderia ter sido prolongada por alguns anos: a catástrofe, embora atrasada, teria sido apenas a mais violenta.
     Depois de fevereiro, vimos os jacobinos, os girondinos, os bonapartistas, os orleanistas, os legitimistas, os jesuítas, todos os velhos partidos, eu quase tinha dito facções, que sucessivamente se opuseram à revolução no passado, Derrubaram uma revolução que nem entenderam. Ao mesmo tempo, a coligação estava completa: não me atrevo a dizer que o partido republicano saiu bem. Deixe a oposição continuar, deixe-a persistir: sua derrota será universal. Quanto mais a inevitável derrubada é adiada, mais deve ser pago para o atraso: isso é tão elementar quanto a elaboração das revoluções como um axioma na geometria. A Revolução nunca deixa ir, pela simples razão de que nunca está errado.
     Toda revolução se declara primeiramente como uma queixa do povo, uma acusação contra um estado de coisas vitorioso, que os mais pobres sempre sentem o primeiro. É contra a natureza das massas a revolta, exceto contra o que lhes fere, física ou moralmente. Trata-se de uma questão de repressão, de vingança, de perseguição? Que loucura! Um governo cuja política consiste em escapar aos desejos das massas e reprimir suas queixas, condena-se: é como um criminoso que luta contra seus remorsos cometendo novos crimes. Com cada ato criminoso a consciência do culpado o censura mais amargamente; Até que por fim a sua razão cede, e o vira para o carrasco.
     Há apenas uma maneira, que eu já disse, para afastar os perigos de uma revolução; É reconhecê-lo. As pessoas estão sofrendo e estão descontentes com o seu destino. Eles são como um homem doente gemendo, uma criança chorando no berço. Ir para eles, ouvir seus problemas, estudar as causas e conseqüências deles, ampliar em vez de minimizá-los; Então ocupado-se sem relaxamento em aliviar o sofredor. Então a revolução terá lugar sem perturbação, como o desenvolvimento natural e fácil da antiga ordem das coisas. Ninguém o notará; Dificilmente suspeitar. As pessoas grato chamá-lo-ão seu benfeitor, seu representante, seu líder. Assim, em 1789, a Assembleia Nacional eo povo saudaram Luís XVI como o Restaurador da Liberdade Pública. Naquele momento glorioso, Luís XVI, mais poderoso que seu avô, Luís XV, poderia ter consolidado sua dinastia por séculos: a revolução se lhe ofereceu como instrumento de governo. O idiota podia ver apenas uma invasão de seus direitos! Esta inconcebível cegueira levou consigo ao patíbulo.
     Infelizmente, deve ser que uma revolução pacífica é muito ideal para a nossa natureza belicosa. Raramente os eventos seguem o curso natural e menos destrutivo: os pretextos para a violência são abundantes. Como a revolução tem seu princípio na violência das necessidades, a reação encontra seu próprio princípio na autoridade do costume.
     Sempre o status quo tenta prescrever para a pobreza; É por isso que a reação tem a mesma maioria no início que a revolução tem no final. Nesta marcha em direções opostas, em que a vantagem de um se torna continuamente uma desvantagem para o outro, quanto é de temer que choques ocorrerão! ...
     Duas causas estão contra a realização pacífica das revoluções: os interesses estabelecidos eo orgulho do governo.
     Por uma fatalidade que será explicada a seguir, essas duas causas sempre agem juntas; De modo que a riqueza e o poder, juntamente com a tradição, estão de um lado, a pobreza, a desorganização e o desconhecido do outro, o partido satisfeito não quer fazer qualquer concessão, o insatisfeito não poder se submeter mais, o conflito, pouco a pouco, Torna-se inevitável.
     Então é curioso observar as flutuações da luta, em que todas as oportunidades desfavoráveis ​​parecem ser, primeiramente, para o movimento progressista, todos os elementos de sucesso para a resistência. Aqueles que vêem apenas a superfície das coisas, incapazes de compreender um resultado que nenhuma perspicácia lhes possa ter antecipado, não hesitam em acusar como causa de seu desapontamento, má sorte, o crime deste, a torpeza De que, todos os caprichos da fortuna, todas as paixões da humanidade. As revoluções, que para os contemporâneos inteligentes são monstros, parecem aos historiadores que mais tarde relatam os juízos de Deus. O que não foi dito sobre a Revolução de 89? Ainda temos dúvidas sobre essa revolução, que se afirmou em oito constituições sucessivas, que remodelou a sociedade francesa de baixo para cima e destruiu até mesmo a memória do antigo feudalismo. Nós não cercamos a idéia de sua necessidade histórica: não temos compreensão de suas vitórias maravilhosas. A reação atual foi organizada em parte pelo ódio dos princípios e tendências da Revolução. E entre aqueles que defendem o que foi realizado em 89, muitos denunciam os que o repetirão: tendo escapado, imaginam, por um milagre da primeira revolução, não querem correr o risco de um segundo! Todos estão de acordo, então, com a reação, tão seguros da vitória como eles são de que estão na direita, e multiplicando os perigos ao redor deles pelas mesmas medidas que eles tomam para escapar deles.
     Que explicação, que demonstração pode transformá-los de seu erro se sua experiência não os convencer?
     Vou provar nas diferentes partes deste trabalho, e agora estou prestes a estabelecer da maneira mais triunfante que, há três anos, a revolução foi levada a cabo apenas pelos conservadores vermelhos, tricolores e brancos que a receberam; Quando digo, continuada, uso a expressão no sentido da determinação da idéia, bem como a propagação dos feitos. Não se engane, se a revolução não existisse, a reação a teria inventado. A idéia, vagamente concebida sob o impulso da necessidade, então moldada e formulada pela contradição, logo é afirmada como um direito. E, como os direitos são tão ligados juntos que não se pode negar sem sacrificar ao mesmo tempo todo o resto, o resultado é que um governo reacionário é atraído, pelo fantasma que persegue, para atos arbitrários sem fim e que, em Procurando salvar a sociedade da revolução, interessa a todos os membros da sociedade em revolução. Desta forma, a antiga monarquia, destituindo primeiro Necker, depois Turgot, opondo-se a todas as reformas, insatisfegando o Terceiro Estado, os parlamentos, o clero, a nobreza, criou a Revolução. Quero dizer, a fez entrar no mundo dos fatos - a Revolução, que desde então não cessou de crescer em extensão e em perfeição, e de estender suas conquistas.

2. Progresso Paralelo da Reação e da Revolução desde fevereiro

     Em 1848, a classe baixa, de repente participando da disputa entre a classe média e a Coroa, fez ouvir seu grito de angústia. Qual foi a causa de sua angústia? Falta de trabalho, disse. O povo exigia trabalho, o protesto não avançava. Abraçaram a causa republicana com ardor, aqueles que acabavam de proclamar a República em seus nomes, tendo prometido lhes dar trabalho. Sem uma melhor segurança, o povo aceitou um projecto na República. Isso era suficiente para fazê-lo tomá-los sob sua proteção. Quem teria acreditado que no dia seguinte aqueles que tinham assinado o acordo só pensavam em queimá-lo? O trabalho, e através do trabalho, pão, esta foi a petição das classes trabalhadoras em 1848; Esta foi a inabalável base dada por eles à República; Esta é a Revolução.
     Outra coisa foi a proclamação da República, em 25 de fevereiro de 1848, a ação de uma minoria mais ou menos inteligente, mais ou menos usurpadora; E ainda outra, a questão revolucionária do trabalho, que deu a esta república um interesse, e só lhe deu valor real, aos olhos das massas. Não, a República de Fevereiro não foi a revolução; Era o penhor da revolução. Não é dever daqueles que governam esta República, do mais alto ao mais baixo, ver que a promessa não é quebrada: é para o povo, na próxima eleição, determinar em que outras condições eles a aceitarão.
     No início, essa demanda de trabalho não parecia exorbitante para os novos funcionários, dos quais até então ninguém se importava com a economia política. Pelo contrário, era o tema de mútuas felicitações. O que era um povo que, no dia do seu triunfo, não pedia nem pão nem diversões, como antigamente a multidão romana exigira --panem et circenses-- mas só pedia trabalho! Que garantia entre as classes trabalhadoras da moralidade, da disciplina, da docilidade! Que garantia de segurança para um governo! Com a maior confiança e, deve-se admitir, com as intenções mais louváveis, o Governo Provisório proclamou o direito ao trabalho! Suas promessas, sem dúvida, testemunharam sua ignorância, mas a boa intenção estava ali. E o que não pode ser feito com o povo francês pela manifestação de boas intenções? Não havia neste momento um empregador tão mal-humorado que ele não estava disposto a dar trabalho a todos, se o poder lhe fosse concedido. O direito ao trabalho! O Governo Provisório reivindicará da posteridade a glória desta fatídica promessa, que confirmou a queda da monarquia, sancionou a República e tornou a Revolução certa.
     Mas fazer promessas não é tudo: eles devem ser mantidos.
     Olhando mais de perto, é fácil ver que o direito ao trabalho era um negócio mais cócegas do que se suspeitava. Depois de muito debate, o Governo, que gastou 300 milhões de dólares anualmente para preservar a ordem, foi forçado a admitir que não havia mais um centavo para ajudar os trabalhadores; Que para empregá-los e, conseqüentemente, para pagá-los, seria necessário impor impostos adicionais, criando um círculo vicioso, porque esses impostos deveriam ser pagos por aqueles a quem se destinavam a ajudar. Além disso, não era o negócio do Estado competir com a indústria privada, para a qual já faltava o consumo e era exigida uma saída; E, ainda mais, para que o Estado participe na produção só poderia acabar por agravar a condição dos trabalhadores. Em conseqüência, por essas razões, e para outras não menos peremptórias, o Governo entendeu que nada podia ser feito, que era preciso resignar-se, manter a ordem, ter paciência e confiança!
     Deve-se admitir que o governo teve razão em certa medida. Para assegurar o trabalho e, em conseqüência, a troca, para todos, torna-se necessário, como vamos mostrar, mudar o curso e modificar a economia da sociedade; Um assunto sério, muito além do poder do Governo Provisório, e sobre o qual se tornou seu dever consultar o País como preliminar. Quanto aos planos propostos, e às conferências semi-oficiais com as quais a falta de trabalho dos trabalhadores foram enganados, merecem a honra, nem de registro, nem de crítica. Eram tantos pretextos de conservadorismo, que logo se mostraram, mesmo no seio do Partido Republicano.
     Mas o erro dos homens no poder, que exasperou a classe operária, e que transformou uma questão trabalhista simples em menos de dez anos em uma revolução definida, foi quando o governo, em vez de convidar as pesquisas de publicistas, como fez Luís XVI, De apelar aos cidadãos e pedir-lhes os seus desejos sobre as grandes questões do trabalho e da pobreza, encerrou-se durante quatro meses num silêncio hostil; Quando se observava que hesitava em conceder os direitos naturais dos homens e dos cidadãos, desconfiar da liberdade, da liberdade de imprensa e da assembléia, recusar as petições dos patriotas relativas às fianças e ao imposto de selo, espionar os clubes em vez disso De organizá-los e dirigi-los, criar para a emergência da guarda voluntária um corpo de pretorianos, intrigar com o clero, recordar as tropas a Paris, para fraternizar com o povo, despertar o ódio contra o socialismo, o novo nome para a revolução; Então, seja por imprudência, por incapacidade, por infortúnio, por conspiração e por traição, ou por todos estes, para forçar multidões sem dinheiro em Paris e em Rouen a uma luta desesperada; Finalmente, após a vitória, ter apenas um pensamento, uma idéia, sufocar o grito dos trabalhadores, o protesto de fevereiro, por qualquer meio, legal ou ilícito.
     Basta olhar a série de decretos do Governo Provisório e do Comitê Executivo para convencer-se de que durante esse período de quatro meses a repressão foi planejada, preparada, organizada e a revolta foi provocada, direta ou indiretamente, pelo Poder.
     Esta política reacionária, que nunca se esquece, foi concebida no seio do Partido Republicano, por homens assustados com a memória de Hébert, de Jacques Roux, de Marat, e que acreditavam em boa-fé para ajudar a Revolução Combatendo todas as manifestações até o limite. Foi o zelo governamental que dividiu os membros do Governo Provisório em duas facções opostas, levando alguns a desejar um conflito aberto contra a Revolução, para que pudessem governar através do prestígio dado pela vitória; Outros preferem a demonstração de força superior e as distrações da política e da guerra, para restaurar o silêncio tornando a agitação cansativa e fútil. Poderia ter sido de outra forma? Não, porque cada sombra de opinião considerava seu emblema como o da verdadeira República e se dedicava patrioticamente à destruição de seus rivais, a quem considerava demasiado moderada ou demasiado extrema. A Revolução não podia deixar de ser apanhada entre esses rolos: era muito pequena, então e muito baixa para ser percebida por seus formidáveis ​​guardiões.
     Lembro-me destas ocorrências, não do prazer vazio de estigmatizar homens que eram mais mal-aconselhados do que culpados, e que o curso das coisas, ao que me parece, foi restaurado ao poder: mas lembrar-lhes que, à medida que a Revolução os derrotou Uma vez, os superará uma segunda vez, se persistirem no curso da desconfiança e da difamação secreta que até então adotaram para ela.
     Assim, por meio do preconceito governamental e da tradição proprietária, de que a união íntima constitui toda a teoria política e econômica do antigo liberalismo, o Governo - não faço ilusão aos indivíduos, entendo por esta palavra a soma dos poderes, antes de junho e depois - O Governo, repito, por seu ódio a certos utópicos, mais ruidosos do que perigosos, acreditava ter o direito de reter a questão mais importante das sociedades modernas, embora a justiça e a prudência exigissem um apelo ao país sobre as exigências da classe trabalhadora . Esse foi o seu erro; Que seja também uma lição.
     A partir desse momento, reconheceu-se que a República, seja de ontem ou de 93, jamais poderia ser, no século XIX, a mesma coisa que a Revolução. E se o Socialismo, tão caluniado naquela época pelas próprias pessoas que, desde então, reconhecendo seu erro, vieram por sua vez pedir sua aliança, se o socialismo, eu digo, tivesse despertado essa disputa, se, em nome dos enganados Trabalhadores, da Revolução traída, que se pronunciara contra a República, Jacobino ou Girondino, é tudo o mesmo, esta República teria sido oprimida na eleição de 10 de Dezembro, a Constituição de 1848 teria sido apenas uma transição para Império. O socialismo tinha pontos de vista mais elevados; Com o consentimento unânime sacrificou suas próprias queixas, e deu a sua voz para o governo republicano. Por isso aumentou o seu perigo, por enquanto, em vez de se fortalecer. O que se segue mostrará se suas táticas eram sábias.
     Assim, a batalha uniu-se entre interesses poderosos, hábeis e inexoráveis, que aproveitaram as tradições de 89 e 93, e uma revolução ainda no berço, dividida contra si mesma, honrada por nenhum antecedente histórico, sem nenhuma fórmula antiga , Movido por nenhuma idéia definida.
     Na verdade, o que coroava o perigo do socialismo, era que não podia dizer o que era, não podia formular uma única proposição, não podia explicar suas queixas nem apoiar suas conclusões. O que é Socialismo? foi perguntado. E vinte definições diferentes de uma vez vied em mostrar o vazio da causa. Fato, direito, tradição, senso comum, tudo unido contra ele. Além disso, havia esse argumento, irresistível com um povo criado no culto dos antigos revolucionários - um culto que ainda se murmura entre eles - de que o socialismo agora não é o de 89 nem de 93, que não data de O grande período que Mirabeau e Danton teriam desprezado, que Robespierre teria guillotinado, depois de tê-lo marcado, que é o espírito revolucionário depravado, a política de nossos ancestrais extraviados! ... Se nesse momento o Poder tivesse encontrado um Homem que pudesse entender a Revolução, poderia ter moderado seu ímpeto a seu gosto, aproveitando o pequeno favor que encontrou. A Revolução, se tivesse sido acolhida pelas classes dominantes, teria se desenvolvido lentamente durante um século, em vez de se precipitar com a velocidade do cavalo de corrida.
     As coisas não poderiam acontecer assim. As idéias são definidas por seus contrários: a Revolução será definida pela reação. Falta-nos fórmulas: o Governo Provisório, o Comité Executivo, a ditadura de Cavaignac, a Presidência de Louis Bonaparte, se comprometeram a fornecê-los para nós. A loucura dos governos faz a sabedoria dos revolucionários: sem esta legião de reacionários que passou sobre nossos corpos, não poderíamos dizer, meus amigos socialistas, quem somos nem para onde estamos ligados.
     Mais uma vez declaro que não faço nenhuma acusação contra as intenções de ninguém. Pretendo acreditar ainda na bondade das intenções humanas: sem ela, o que se torna da inocência dos estadistas, e por que abolimos a pena de morte em casos políticos? Logo a reação vai cair; Seria sem justificação moral e sem razão, não faria nada para a nossa educação revolucionária, se seus representantes, segurando todo tipo de opiniões, não formassem uma corrente contínua, que se estendesse desde o pico da Montanha, Legitimistas extremos.
     É o caráter da Revolução do século XIX que se separa, dia a dia, dos excessos de seus adversários e dos erros de seus defensores; De modo que ninguém pode se gabar de ter sido perfeitamente ortodoxo em cada momento da luta. Todos nós, seja o que for que tenhamos sido, falhamos em 1848; E é precisamente por isso que fizemos tantos progressos desde 1848.
     Apenas o sangue derramado no caso de junho se secou, ​​quando a Revolução, vencido nas ruas, começou a trovejar nos jornais e nas reuniões populares, mais explícita e mais acusadora do que nunca. Três meses não haviam passado quando o governo, surpreso com essa indomável persistência, exigiu novas armas à Assembléia Constituinte. O motim de junho não tinha sido posto, afirmou: sem uma lei contra a liberdade de imprensa e contra as reuniões públicas, não poderia ser responsável por manter a ordem e preservar a sociedade.
     É da essência da reação mostrar suas tendências ruins sob a pressão da revolução. Os ministros de Cavaignac disseram em voz alta o que um certo membro do Governo Provisório, agora reintegrado a favor do povo, pensara em suas confidências secretas.
     Mas também é natural que os partidos vencedores se juntem à oposição; Portanto, o socialismo poderia contar com pelo menos alguns de seus antigos adversários fazendo causa comum com ele. Isso foi realmente o que aconteceu.
     Os mecânicos, juntamente com muitos comerciantes, continuaram a exigir trabalho. Negócios não foi bom; Os camponeses queixavam-se de rendas mais elevadas e do baixo preço dos produtos agrícolas; Aqueles que combateram a insurreição e se pronunciaram contra o socialismo, exigiram como subsídio de recompensa para o presente imediato e garantias para o futuro. O governo podia ver em tudo isso nada além de uma epidemia transitória, o resultado de circunstâncias infelizes, uma espécie de cólera-morbus intelectual e moral, que deve ser tratado com sangramento e sedativos.
     Nisso, o governo se viu impedido por limitações! A lei já não bastava para a sua protecção; Ele deve ter regra marcial. O socialismo, pelo contrário, declarou-se republicano, e se colocou sobre a lei, da maneira mais inquietante, como dentro de uma fortaleza. Foi assim que, em todos os esforços de reação, a lei foi sempre com os revolucionários e contra os conservadores. Nunca foi tão má sorte. O dito de um ministro da antiga monarquia, Legalidade é a nossa ruína! Tornou-se verdadeira novamente sob o governo republicano. Ou a lei deve ser abolida, ou a revolução deve avançar!
     As leis repressivas foram concedidas, e várias vezes tornadas mais rigorosas. Enquanto escrevo, a liberdade de reunião foi abolida; A imprensa revolucionária não existe mais. Que fruto o governo obteve com essa medicação antiflogística?
     Em primeiro lugar, a exigência de liberdade de imprensa se uniu à asserção do direito ao trabalho. A revolução acrescentou a todos os velhos amigos da liberdade pública, que se recusam a acreditar que a mordaça da imprensa era um remédio para o contágio das idéias. Então, como a propaganda através da imprensa tinha sido suspendida, a propaganda pelo boca a boca começou; Isto é, o método revolucionário mais forte se opôs à violência da reação. Em dois anos, a Revolução abriu caminho através desta conversa íntima de um povo inteiro, do que poderia ter feito em um século por dissertações diárias. Enquanto a reação faz a sua vingança sobre o tipo, a revolução ganha pela palavra falada: o doente que deveria ter sido curado da febre, é dilacerado por convulsões!
     Não são estes os fatos? Não somos todos testemunhas diárias deles? Ao atacar, uma após a outra, todas as formas de liberdade, a reação não reafirmou tão frequentemente a revolução? E não é a história contemporânea, esse romance que me parece estar escrevendo, do qual o absurdo supera em muito os de Perrault? A Revolução nunca prosperou tanto quanto os mais eminentes estadistas conspiraram contra ela, e seus órgãos desapareceram do palco. Além disso, tudo o que se empreenda contra a Revolução o fortalecerá: citemos apenas os fatos principais.
     Em poucos meses, a doença revolucionária havia infectado dois terços da Europa. Seus principais centros eram Roma e Veneza, na Itália, e Hungria além do Reno. O Governo da República Francesa, para reprimir a Revolução em casa com mais segurança, não hesitou em fazer uma conquista estrangeira. A Restauração tinha feito a guerra espanhola contra os liberais: a Reação de 1849 fez a expedição a Roma contra a Social-Democracia - emprego estas duas palavras como indicando o progresso que a Revolução havia feito em um ano. Certos descendentes de Voltaire, herdeiros dos jacobinos, podiam qualquer outra coisa esperar dos acólitos de Robespierre ?, tinham concebido a idéia de trazer ajuda ao Papa, e assim unir a República eo Catolicismo: os jesuítas a realizaram. Vencido em Roma, a social-democracia tentou protestar em Paris: estava dispersa sem luta.
     O que a Reação ganhou? Ao ódio dos reis no coração do povo foi acrescentado o ódio dos sacerdotes; E a guerra contra a autoridade governamental em toda a Europa foi complicada pela guerra contra a autoridade religiosa. Em 1848, a única questão, disseram os médicos, era de excitação política: muito em breve, pela futilidade dos remédios, tornou-se uma questão econômica; Agora é chamado religioso. A medicina não é inútil? Que outra medicina podemos usar?
     Evidentemente, foi um caso em que os políticos do menor senso comum teriam retrocedido: foi exatamente neste momento que eles escolheram para impulsionar a reação ao máximo. Não, disseram eles, uma nação não tem o direito de se envenenar, de se assassinar. O governo tem o cuidado de sua alma: seus deveres são os do guardião e do pai. A segurança do povo é a lei mais elevada. Faça o que você deveria, venha o que vier!
     Resolveu-se que o País deveria ser purgado, sangrado, cauterizado até o limite. Um vasto sistema sanitário foi organizado e seguido com uma devoção que teria feito honra aos apóstolos. Hipócrates, salvando Atenas da peste, não parecia mais magnífico. A constituição, o eleitorado, a guarda nacional, os conselhos municipais, a universidade, o exército, a polícia as cortes, tudo foram passados ​​através das chamas. O mundo dos negócios, esse eterno amigo da ordem, era acusado de inclinações liberais e envolvido nas mesmas suspeitas que as classes trabalhadoras. O governo chegou a dizer, por boca de M. Rouher, que não se considerava tão sã, que sua origem era uma mancha, que trazia em si o veneno revolucionário: Ecce in iniquitatibus conceptus sum! ] ... Então começou a trabalhar.
     A instrução, baseada na razão, por professores seculares selecionados por exame, não podia ser dependida. O Governo considerou essencial colocar o ensino sob a autoridade da Fé. Foi anunciado ao mundo que a instrução, como a imprensa, não era mais livre, pela sujeição dos professores primários aos sacerdotes e aos irmãos leigos, entregando os Colégios da Cidade aos Congregacionistas, colocando o ensino público O clero, por assombrosas demissões de professores após a sua denúncia por bispos. O que o governo ganhou com esse tratamento? Por seu aborrecimento jesuítico, jogou-os todos na Revolução, homens dedicados como estavam à educação da juventude, sem nada de tímido,
     Então foi a vez do exército.
     Vindo do povo, recrutado todos os anos de entre eles, em contato perpétuo com eles, nada teria sido menos certo do que sua obediência, em face de um povo despertado e constituição violada. Foi prescrita uma dieta intelectual, juntamente com o isolamento completo, ea proibição do pensamento, da conversação e da leitura sobre temas políticos e sociais. Assim que o menor sinal de contágio apareceu em um regimento, que foi imediatamente purificado, retirado da capital e de centros populosos, e enviado como disciplina para a África. É difícil descobrir o que o soldado pensava: pelo menos é certo que o tratamento a que foi submetido há mais de dois anos lhe provou, de forma inequívoca, que o Governo não queria nem a República nem a Constituição, Nem a liberdade, nem o direito ao trabalho, nem o sufrágio universal; Que o plano dos ministros era restabelecer a velha ordem na França, como eles tinham restabelecido o governo dos sacerdotes em Roma, e que eles contavam com ele! ... O soldado suspeito engolirá essa dose? O Governo assim o espera; essa é a questão! ...
     Foi à Guarda Nacional que o partido da ordem devia seus primeiros sucessos, em abril, maio e junho de 1848. Mas a Guarda Nacional, embora abortasse o motim, não tinha idéia de ajudar a contra-revolução. Mais de uma vez disse isso. Dizia-se que estava doente. De todos os cuidados do Governo, o que mais ocupa sua atenção é a dissolução, ou pelo menos o desarmamento, da Guarda Nacional, gradualmente, não de uma só vez, isso não faria. Contra uma Guarda Nacional armada, organizada, pronta para a batalha, a sabedoria reacionária não conhece proteção. O governo não pode acreditar-se seguro desde que um único soldado do cidadão permaneça em France. Guardas Nacionais! Você não pode ser virado da liberdade e do progresso, avançar para a Revolução!
     Como todos os monomaníacos, o governo é perfeitamente lógico em sua idéia. Segue com pontualidade maravilhosa e perserverance. Compreendia perfeitamente que a cura da nação e da Europa, de que se havia constituído o médico, não chegaria ao ponto em que as eleições populares pudessem ser eliminadas e que o infeliz paciente, enlouquecido por seus remédios, Poderia quebrar seus laços, dominar seus guardas, e em uma hora de loucura pode destruir o fruto de três anos de tratamento. Já uma maioria imponente, ao votar sobre a questão eleitoral, em março e abril de 1850, votara a favor da revolução - monarquia ou república - isto é, revolução ou status quo. Como afastar tal perigo e salvar o povo de seu próprio frenesi?
     É necessário agora, dizem os wiseacres, prosseguir indiretamente. Vamos separar as pessoas em duas categorias, a que compreende os cidadãos que, de sua posição, são presumidos como os mais revolucionários; Devem ser excluídos do sufrágio universal; O outro, todos aqueles que, por sua posição, estão mais inclinados a manter as coisas como estão: estes formarão o corpo eleitoral. O que dizer disso, que por essa supressão teremos eliminado três milhões de pessoas das listas de votação, se os sete milhões restantes aceitarem seus privilégios? Com sete milhões de eleitores e o exército, temos certeza de vencer a revolução; E religião, e autoridade, e família, e propriedade, são salvos!
     Vinte e sete notabilidades da ciência política e moral, diziam eles, estavam presentes nessa consulta de homens de habilidade consumada em combater revolução e revolucionários. A portaria foi apresentada à Assembleia Legislativa e foi confirmada no dia 31 de maio.
     Infelizmente era impossível fazer uma lei de privilégio que também deveria ser uma lista de suspeitos. A lei de 31 de maio, cortando à direita e à esquerda quase igualmente entre os socialistas e conservadores, só serviu para provocar a revolução mais, tornando a reação odiosa. Entre os sete milhões de eleitores que mantiveram, talvez quatro milhões pertencessem à democracia. Acrescente a estes três milhões de descontentes que foram excluídos e você terá a força relativa da revolução e da contra-revolução, pelo menos no que diz respeito ao privilégio eleitoral. Além disso, veja a loucura disso! Foram apenas os eleitores do partido de ordem, a favor dos quais a lei do dia 31 de maio havia sido retirada, que foram os primeiros a denunciá-la: culpam-na por todos os seus males presentes e pelos maiores males que eles Antecipar no futuro; Eles estão exigindo alto a sua revogação em seus jornais. E a melhor razão para crer que esta lei nunca será executada é que é perfeitamente inútil, o interesse do Governo é, antes, retirar-se do seu apoio do que defendê-lo. Isso é o suficiente de blundering e escândalo?
     A reação fez a revolução crescer como em um viveiro durante os últimos três anos. Por sua política, primeiramente equívoca, depois virada, finalmente abertamente absolutista e terrorista, criou um partido revolucionário inumerável, onde antes não se podia contar um homem. E, bom Deus! Qual era o uso de toda essa arbitrariedade? Para que fim toda essa violência? Contra quem colocar a queixa? Que monstro, inimigo da civilização e da sociedade, procuravam combater? Alguém sabia se a Revolução de 1848 estava certa ou errada? Essa revolução que nunca se definiu? Quem o estudou? Quem, com a mão sobre o coração, poderia acusá-la? Deplorável alucinação! Sob o Governo Provisório eo Comitê Executivo, o partido revolucionário não existia, exceto no ar: a idéia dele, com suas fórmulas místicas, ainda não havia sido descoberta. Por sua declaração contra este espectro, a reação converteu o espectro em um corpo vivo, um gigante, que com um único gesto pode esmagá-lo. Aquilo que eu mesmo mal podia conceber antes do dia de junho; Que desde então cheguei a compreender apenas gradualmente, e sob o fogo da artilharia reaccionária, ouso agora afirmar com certeza: a Revolução tomou forma, compreende-se, é completada.

3. Fraqueza da Reação: Triunfo da Revolução.

     E agora, reacionários, você está reduzido a medidas heróicas. Você tem levado a violência a um ponto onde você é odiado, o despotismo para onde você está desconfiado, o abuso de seu poder legislativo até a deslealdade. Você prodigalizou desprezo e ultraje: buscou sangue e guerra civil. Tudo isso produziu tanto efeito sobre a Revolução como uma flecha sobre um rinoceronte. Aqueles que não te odeiam, desprezam você. Eles estão errados: vocês são pessoas honestas, cheias de tolerância e filantropia, movidas pelas melhores intenções, mas sua mente e consciência estão de cabeça para baixo. Eu ignoro tudo o que você pode resolver, se você continuar a atacar a revolução, ou determinar a tratar com ele, como eu espero que você vai fazer. Mas se você selecionar o curso anterior, eu lhe direi o que você deve fazer; Vocês mesmos podem julgar o que vocês esperam.
     As pessoas, segundo vocês, são afetadas pela alienação mental. É sua missão ucre-los: segurança pública é a sua única lei, o seu dever mais elevado. Como você é responsável perante a posteridade, você se desonraria abandonando o posto em que a Providência o colocou. Você está no direito; Você tem a força; Sua resolução é clara.
     Todos os métodos regulares do governo ter falhado, sua política adicional é compreendida em uma palavra: FORÇA.
     Força, a fim de evitar que a sociedade cometer suicídio; Isso significa que você deve pôr fim a cada manifestação revolucionária, a todo pensamento revolucionário, que você deve colocar a nação em um casaco de ferro, segurar os vinte e seis departamentos em estado de sítio, suspender as leis em geral em todos os lugares, atacar o mal Na sua origem, deportando do país e da Europa os autores e fomentadores de idéias anárquicas e anti-sociais, preparam-se para a restauração das antigas instituições, conferindo ao Governo poder discricionário sobre a propriedade, a indústria e o comércio, etc., até uma cura perfeita É efetuada.
     Não negociar sobre o governo absoluto: não disputa sobre a escolha de um ditador. Monarquia legítima, metade legítima, uma combinação de partidos, imperialismo, revisão total ou parcial da Constituição, tudo isso, creia-me, não tem importância. A ação mais rápida é a mais segura. Lembre-se que não é a forma de governo que está em questão: é a sociedade. Seu único cuidado deve ser tomar suas medidas com prudência; Porque se no último momento a Revolução se afasta de você, você está perdido.
     Se o príncipe que está agora no poder fosse presidente vitalício, se ao mesmo tempo a Assembléia, incerta dos eleitores, pudesse prorregar-se como a Convenção costumava fazer, até a convalescença do inválido, a solução talvez pareça ser Descoberto. O Governo só teria que ficar quieto e celebrar missas em todas as igrejas da França, para a restauração da saúde do Povo. Não haveria necessidade de fazer nada contra a insurreição. A legalidade, nesta terra de jornalistas, é tão poderosa, que não há opressão, nem ultraje, que não estamos prontos para suportar, tão logo eles nos falem Em Nome da Lei.
     Mas pelos termos do acordo fundamental, Louis Bonaparte deixa o escritório no fim de abril de 1852; Quanto à Assembleia, os seus poderes expiram em 29 de Maio seguinte, no auge do ardor revolucionário. Tudo está perdido se as coisas seguirem como a Constituição prescreve. Não perca um momento: conselhos Caveant!
     Então como a Constituição é agora a causa de todo o perigo, como não há solução legal possível, como o Governo não pode contar com o apoio de qualquer parte da nação, como a gangrena envolveu tudo, você deve tomar conselho apenas de vocês E da imensidão de seus deveres, sob pena de perda e covardia.
     Em primeiro lugar, a Constituição deve ser revista por você, por autoridade; Ao mesmo tempo Louis Bonaparte deve ser prorrogado em seus poderes, por autoridade.
     Esta prorrogação não será suficiente, pois as eleições de 1852 podem dar uma Assembléia demagógica, da qual o primeiro ato será o impeachment do Presidente reeleito e seus ministros. Portanto, o Presidente, ao mesmo tempo que é prorrogado pela Assembléia, prorrogará a Assembléia por sua vez, e pela autoridade
     Após estes primeiros atos de ditadura, os Conselhos Gerais e Municipais, devidamente renovados, serão convidados a enviar sua adesão, sob pena de dissolução imediata e de despacho de comissários.
     É provável que esta dupla prorrogação do presidente e da Assembleia seja seguida de alguma perturbação; É um risco para ser executado, uma batalha para se juntar, uma vitória para ganhar.

Conquistar sem perigo é triunfar sem glória.

     Decidir.
     Então você deve abolir o sufrágio universal, assim como a lei do 31 de maio, e retornar ao sistema de M. Villèle e ao voto dobro; Melhor ainda, suprimir todo o sistema representativo, aguardando a reclassificação da nação em ordens ea restauração do feudalismo numa base mais sólida.
     Suponhamos então que a Revolução, tão violentamente provocada, não tropeça, ou que, se tropeça, é esmagada; Suponha que os duzentos representantes republicanos não respondam aos actos usurpadores da maioria por uma declaração de que são ilegais, preparados, assinados e publicados com antecedência; Que, após esta declaração, os autores do golpe de Estado não são atingidos na rua, em suas casas, em qualquer lugar onde a mão vingadora de bandos patrióticos possa alcançá-los; Suponha que a população não se eleva em massa, em Paris e nas províncias; Que uma parte das tropas, sobre a qual a reação deposita suas esperanças, não se junta aos insurgentes; Suponha que dois ou trezentos soldados sejam suficientes para deter os revolucionários de trinta e sete mil cidades, às quais o golpe de Estado servirá de sinal; Suponha que, sem alívio, a recusa de pagar impostos, a interrupção do trabalho, a interrupção do transporte, a devastação, as conflagrações, toda a fúria prevista pelo autor de O Espectro Vermelho, não bloqueiam a contra-revolução por sua vez; Suponha que seja suficiente para o chefe do poder executivo, eleito por quatrocentos conspiradores, para os oitenta e seis prefeitos, os quatrocentos e cinqüenta e nove subprefectos, os procuradores gerais, os presidentes, os conselheiros, os suplentes, os capitães de Polícias, comissários de polícia e alguns milhares de notabilidades seus cúmplices, para se apresentarem às massas para fazê-las retornar ao seu dever.
     Suponhamos, digamos, que qualquer uma dessas conjecturas, tão provável, tão provável, não seja realizada, será necessário, se você espera que seu trabalho permaneça:
     1º Declarar o estado de sítio geral, absoluto e por tempo ilimitado;
     2º Decretar a deportação além dos mares de cem mil indivíduos;
     3º Dobrar a força efetiva do exército e mantê-la constantemente em pé de guerra;
     4º Aumentar as guarnições e a polícia, armar todas as fortalezas, construir em cada distrito um forte castelo, interessar os militares na reação, tornando o exército uma casta dotada e enobrecida, que pode se recrutar em parte;
     5º Para reorganizar as pessoas em corporações de artes e ofícios, ninguém acessível a qualquer outro; Para suprimir a livre concorrência; Para criar no comércio, na indústria, na agricultura, na propriedade, nas finanças, numa classe comercial privilegiada, que unirá as mãos com a aristocracia do exército e da Igreja;
     6º Expurgar ou queimar nove décimos dos livros nas bibliotecas, livros de ciência, filosofia e história; Para acabar com todos os vestígios do movimento intelectual por quatro séculos; Comprometer a direção dos estudos e os arquivos da civilização exclusivamente para os jesuítas;
     7º Aumentar os impostos duzentos milhões de dólares e emitir novos empréstimos para cobrir essas despesas e erigir um privilégio especial e inalienável para o apoio da nova nobreza, bem como das igrejas, seminários e conventos etc e etc.,etc.
     Esse é um esboço da política e das medidas de organização e repressão que a reação deve adotar para realizar o que empreendeu, se quiser ser lógico e seguir sua fortuna até o fim. Constitui uma regeneração social que leva a civilização de volta ao século XIV e restaura o feudalismo, com a ajuda dos novos elementos fornecidos pelo espírito moderno e pela experiência das revoluções. Vacilar ou parar a meio caminho seria perder desgraçadamente o fruto de três anos de esforço, e correr para um desastre certo e irreparável!
     Você já pensou nisso, reacionários? Você considerou o poder que foi adquirido pela Revolução através de três anos de pressão? Você já percebeu que o monstro cresceu suas garras e dentes e que se você não pode estrangulá-lo ele vai devorá-lo?
     Se a reação contar com a prudência do país, e esperar pelas eleições de 1852, ela se perde. Sobre este ponto, quase todos concordam, tanto no governo quanto entre o povo, republicanos ou conservadores.
     Se se limita a prorrogar os poderes do Presidente, está perdido.
     Se, depois de ter prorrogado os poderes da Assembléia pelo mesmo decreto, permite que a lei de 31 de maio fique em pé, ela se perde.
     Se permitir que os cem mil socialistas republicanos mais ativos permaneçam no país, ele se perde.
     Se permitir que a atual fraqueza numérica do exército, e seu modo atual de recrutamento para ficar, é perdido.
     Se, depois de ter restaurado a casta militar, não consegue reconstruir a indústria eo comércio sobre os princípios feudais, está perdido.
     Se não restabelecer grandes propriedades e o direito de primogenitura, é perdido.
     Se não reformar completamente o sistema de instrução e de educação pública, se não apagar a memória das insurreições passadas da mente do povo, ela se perde.
     Se não duplicar os impostos e conseguir recolhê-los, para cobrir as despesas de tais grandes empreendimentos, está perdido.
     Você é capaz de tentar até mesmo a primeira dessas medidas indispensáveis, de que uma única omissão vai mergulhar você no abismo? Você se atreve a proclamar ao povo esta resolução inconstitucional: Os poderes de Louis Bonaparte foram prorrogados?
     Não, você não pode fazer nada, não pode ousar nada, royalistas, imperialistas, bancocratas, malthusianos, jesuítas, que usaram e abusaram da força contra idéias. Você desperdiçou tempo e perdeu sua reputação, sem vantagem para sua segurança.
     Prorogo ou não; Revisar tudo ou revisar nada; Convocar Chambord e Joinville, ou vir à República; Tudo isso não significa nada. Você vai realizar uma Convenção Nacional, se não em 1852, em seguida, em 1856. A idéia revolucionária é triunfar; A fim de combatê-lo, você não tem outro recurso senão a lei republicana, que você não cessou por três anos para violar. Seu único refúgio está naquela república de brincadeira, que em 1848 foi forçada a ser honesta e moderada, como se pudesse existir honestidade e moderação onde faltava o princípio - aquela república cuja nudez ignominiosa você está exibindo agora ao mundo. Você não a vê, chamando-lhe e estendendo as mãos para você, às vezes sob a aparência dos sentimentos mais pacíficos, às vezes sob a máscara das orações mais infladas. Vá então, para esta república - esta república constitucional, parlamentar e governamental, impregnada de jacobinismo e de religião, que não é menos governada pela fórmula da contra-revolução, se invoca o nome de Sièyes, ou apela à de Robespierre . Depois que você tiver esgotado a violência, o engano permanece para você: nisso também estamos prontos para conhecê-lo.
     Mas aos republicanos de fevereiro digo, a esse partido que, sem distinguir matizes de opinião, a Revolução pode reprovar alguns erros, mas não o crime:
     Foi você que deu o sinal da reação em 1848, pelas suas rivalidades ambiciosas, pela sua política rotineira, pelas suas fantasias retrospectivas, quase no mesmo momento em que propôs a questão revolucionária, desconhecida para vocês mesmos.
     Você vê o que a reação fez.
     Antes da batalha de junho, a Revolução quase não tinha consciência de si mesma; Era apenas uma aspiração vaga entre as classes trabalhadoras em direção a uma condição menos infeliz. Tais queixas foram ouvidas em cada período; Se era um erro desprezá-los, era desnecessário temê-los.
     Graças à perseguição que sofreu, a Revolução de hoje é plenamente consciente de si mesma. Ele pode dizer o seu propósito: está no caminho de se definir, de se explicar. Conhece seus princípios, seus meios, seu objetivo; Possui seu método e seu critério. Para se entender, basta seguir a conexão das idéias de seus diferentes adversários. Neste momento está descartando as doutrinas errôneas que o obscureceram: livre e brilhante, você está prestes a vê-lo tomar posse das massas, e levá-los para o futuro com inspiração irresistível.
     A Revolução, no ponto em que chegamos, é completada em pensamento e só precisa ser executada. É tarde demais para dar vazão à mina: se o poder que voltou para suas mãos mudasse sua política para a Revolução, não obteria nenhum resultado, a menos que mudasse seus princípios ao mesmo tempo. A Revolução, eu acabei de lhe dizer, cresceu os dentes: a Reação tem sido apenas um ajuste de doença de dentição para ele. Deve ter alimentos sólidos: alguns fragmentos de liberdade, algumas concessões aos interesses que representa, só servirá para aumentar a sua fome. A Revolução significa existir, e existir, para ela, é reinar.
     Você está disposto então a servir esta grande causa; Para dedicar-se, coração e alma, à Revolução?
     Podem, ainda há tempo, tornar-se novamente os chefes e reguladores do movimento, salvar o seu país de uma grave crise, emancipar as classes populares sem agitação, fazer-se árbitros da Europa, decidir o destino da civilização e da humanidade.
     Sei bem que esse é o seu fervoroso desejo; Mas não falo de desejo, quero atos - promessas.
     Promessas para a Revolução, não harangues; Planos para a reconstrução econômica, não teorias governamentais: é isso que as classes mais baixas querem e esperam de vocês. Governo! Ah! Ainda teremos o suficiente, e para poupar. Saiba bem que não há nada mais contra-revolucionário do que o Governo. Qualquer que seja o liberalismo que pretenda, qualquer que seja o nome que assumir, a Revolução o repudia: seu destino é absorver-se na organização industrial.
     Fale então, por uma vez, francamente, jacobinos, girondinos, montanhistas, terroristas, indulgentes, que todos mereceram a mesma culpa e todos precisam de igual perdão. Fortuna novamente favorecendo você, qual curso você vai seguir? A questão não é o que você teria feito em uma ex-exigência: a questão é o que você vai fazer agora, quando as condições não são mais as mesmas.Você apoiará a Revolução - sim ou não?

Extraído:
Livro: Idée Générale de la Révolution au XIX Siècle
Autor: P.-J. Proudhon
Editora: C. Marpon Et E. Flammarion, Editeu RS
Ano: 1851
Pagina: 7 á 35
   

terça-feira, 4 de outubro de 2016

ABOLIÇÃO LEGAL DO DIREITO DE PATERNIDADE

"Os filhos de minhas filhas, meus netos são;
Os filhos de meus filhos, serão ou não?"
(Reflexões de uma avó ... sabída.)

     De Havana, nos chegaram telegramas alarmantes, e a imprensa comentou em largos protestos, a propaganda apresentada ao congresso Pan-Americano da criança, pelo delegado de Cuba, Dr. Carlos Prestes, no sentido de abolição legal do dinheiro da paternidade ou de se resolver uma questão legal para os filhos naturais.
     Tal proposta foi atacada imediatamente, foi rejeitada in-continenti pelo Congresso, na atitude de defesa quase agressiva dos delegados do Perú e Estados Unidos.
     Consideraram-na como utópica...
     Entretanto, é presumir, saberem aqueles delegados que, biologicamente, todos os filhos são naturais.
     A maternidade é fato verificado, real, natural, e a paternidade é que é utópica... algumas vezes.
     O delegado cubano foi irreverente, declarando, tão alto, uma coisa que estamos cansados de saber.
     Daí, os protestos unanimes, a reivindicação patriarcal de um direito por vezes ridículo, dentro da moral social...
     Os jornais e no próprio Congresso, brandaram o protesto de que essa proposta determinaria a "criação" do regimen do matriarcado, em substituição ao patriarcado.
     Mas, é tão absurdo pretender de uma lei escrita que tenha o poder de "criar" ou determinar o aparecimento de um novo ciclo social, como é absolutamente utópico pretender segurar a sociedade dentro de um regimen cadavérico, fossilizado, impôr o estacionamento, impedir as etapas naturais da revolução.
     Os congressistas contrários á proposta assustaram-se aliás como os jornalistas que a comentaram em nome da gente honesta, certos de que as leis indicadas pelo representante de Cuba viriam a ser um golpe de morte na moral social.
     Primeiramente, não serão as leis escritas, as leis dos homens que darão o golpe de morte nessa moral, já fossilizada e que, por si se destruirá, cedo ou tarde.
     Não serão as leis dos "lycurginhos" modernos que abalarão os alicerces da nossa moral de escravos.
     Façam leis, decretem códigos inteiros ou deixem de as fazer - e os indivíduos continuarão, imperturbáveis, a sua marcha ascendente na espiral da revolução humana.
     Caminhamos para o Matriarcado, quer queiram ou não os paes de verdade, ou os paes de legalidade.

Livro: Amai e... não vos multipliqueis 
Autor: Maria Lacerda de Moura 
Editora: Civilização Brasileira
Páginas: 131 á 133
Ano: 1932

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

A PERPETUAÇÃO DA BIPOLARIDADE BURRA



     As (e os) esquerdas estão espalhando posts nas redes sociais, dizendo que, se você disser que não apoia nem a esquerda, nem a direita, é porque você é de direita. Uma tentativa ardilosa e ridícula de cooptar pessoas que optam por caminhos alternativos de organização social, que não passam pelas eleições burguesas, nem pela "democracia" representativa (leia-se plutocracia), mas que podem acabar acreditando nessa conversa fiada, por não terem o conhecimento necessário para rechaçá-la.
     Os anarquistas, por exemplo, não são esquerda, mas também não são de direita. Apesar do anarquismo ter surgido da mesma raiz que originou o socialismo, os anarquistas romperam com a esquerda, láááááá no século XIX, quando Marx e Engels iludiram os trabalhadores, fazendo-os acreditar que o Estado poderia contribuir para uma sociedade mais justa e igualitária, através da ditadura do proletariado, usando o Estado como instrumento de mudança social, por meio de um governo de transição. Há mais de 150 anos que nós anarquistas dizemos que esse discurso é furado, pois em todas as vezes em que os socialistas chegaram ao poder, nunca houve governo de transição, isto é, o Estado nunca foi dissolvido e o poder nunca foi passado para o povo.
     Em alguns casos os governos de influência socialista acabaram até se tornando piores que seus antecessores. Nós anarquistas, sabemos que o Estado não é solução pra nada. Pelo contrário, ele é o principal problema. E por essa razão, o Estado não deve ser conquistado, mas sim destruído.
     Por outro lado, a direita, com seu princípio capitalista de livre mercado, também defende a diminuição da influência do Estado na vida das pessoas, para que o patrão possa determinar suas próprias leis, centralizando ainda mais poder e riqueza em suas mãos, e explorando mais ainda o trabalhador. Os anarquistas são contra o lucro do patrão, às custas da exploração do trabalhador, assim também como são contra qualquer tipo de governo, pois um pequeno grupo de pessoas controlando o Estado nunca conseguirá atender os anseios de uma população inteira. Pensar que isso é possível, é uma das maiores ilusões já implantadas na mente das pessoas pelo Estado burguês, para manipular as massas. Não me admira que, em pleno ano eleitoral, comecem a aparecer esses memes ridículos dizendo que quem não apoia nem a esquerda, nem a direita, é porque é de direita.
     Querem induzir as pessoas a acreditarem nessa mentira, na intenção de trazê-las para o seu "time", e para apoiarem seus candidatos, que, assim como os candidatos da direita, estarão disputando o poder, no jogo político das eleições burguesas, que só beneficia quem está no poder. Não caiam nessa conversa. Pensem por si próprios e não se permitam serem cooptados.
     A esquerda chama anarquista de liberal. A direita chama anarquista de vândalo e terrorista. Nós anarquistas chamamos a esquerda e a direita de farinha do mesmo saco. Abutres sedentos de poder, Há outros caminhos...

Paulo Sousa

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Contribuições do anarquismo para o indivíduo

     O anarquismo é uma filosofia viva.
     Apesar do  dinamismo da sociedade, algo líquido como diz "Bauman", o anarquismo se molda à atualidade.
Mas tem um aspecto humano que, pra mim foi fundamental, o fato de nos tornarmos únicos e líderes do nosso destino. 
     Resumidamente: nos abre os olhos para o lado humano, tanto positivo quanto negativo. 
     Uma observação importante: se somos líderes de nós mesmos, temos o poder de nos mantermos íntegros, felizes, solidários, honestos, enfim, somos o que fazemos de nós, independente das situações externas!
     Saúde e liberdade a todos!

Frelsi

São Paulo Capital 23, Agosto de 2016

Danças das Idéias, Agradece pela contribuição ao desenvolvimento e preservação das Idéias libertárias!

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

A inteligência tem sexo?

     A civilização fez do homem e da mulher duas raças sociais que se degladiam amorosa e ferozmente.
     A natureza ordena que busquem para uma harmonia maior, para harmonia a dois.
     A sociedade investe contra o instinto, legalizando para os rebanhos humanos, moralizando as leis naturais...
     A razão da mulher foi condenada á prisão perpétua, sob o pretexto de que a emancipação feminina é a causa da destruição do "lar sagrado".
     A instituição da família é baseada na ignorância calculada da mulher, no servilismo, na escravidão feminina.
     Os corolários são imorais para o farisaismo dos moraliteistas de beca, sotaina ou espada.
     O casamento é a armadilha feroz contra o homem e a mulher, e fraude de parte á parte.
     E' a eternidade do indissolúvel, defendida pelos Pe. Coulet, que reservam o direito de ficar solteiros para mais facilmente escalar o cercado alheio, sem assumir compromissos ou responsabilidades.
     Quando ao homem, concluiu: para ter educação completa precisa conhecer todos os vícios, e não ser piegas...
     A morte da razão no cérebro feminino.
     A morte do sentimento no cérebro do homem.
     O resultado, todos nós conhecemos desgraçadamente.
     Falso sentimentalismo de gramofone na cabeça feminina. Nada de razão:  seculares, á rotina, voltada para o passado.
     O perfil divino de uma Isadora Duncan, maravilha pelo imprevisto, pela originalidade superior, pela espontaneidade pela grandeza de uma evolução isolada, única, auto-didata, e de sonhos para a felicidade integrada na liberdade agri-doce de viver intensamente a harmonia interior.
     Um ser excepcional.
     Mas, condenado á inação sob o ponto de vista do raciocínio puro, o cérebro feminino é o reflexo da inteligência do homem.
     Pode ser cultíssima a mulher da "alta" ou da "boa" sociedade, pode falar de Ibsen, de Gorki ou de Maupassant, de Anatole, de Voltaire, de Zola ou de Mirbeau, de Sinclair, de Barbusse ou de Romain Rolland, pode discorrer em torno do teatro de Bataille ou de Moliêre, mas, paira á superfície... é católica apostólica romana, não viu a critica de Volteire ou de Moliêre, não sentiu a ironia de autor inimitavel de "Thais" ou de L'ile de pingouins". E' caridosa, piedosa, crente, não sentiu o sorriso de amagura  que paira em todas essas obras na analise dolorosa do problema humano ou da questão social.
     E nisso mesmo, ainda imita o homem...
     Também o homem "culto", mesmo trazendo peso do canudo de diplomado, com a biblioteca forrada de livros dos melhores autores, continua impermeável dentro da rotina, da tradição, do comodismo.
     E' o caso dos delegados, magistrados, juízes, promotores, bacharéis em suma, nos interrogatórios imbecis, a julgar ou interrogar a presos políticos de Marx com as Bakounine, perguntando a anarquistas qual especie de governo que desejam, após da revolução...(verídico, em São paulo), e, finalmente, declarando que também ele, delegado de segurança publica, pensa assim, também sonha tão altas ideais de uma sociedade anarco-comunista, apenas fala... somente não diz em publico as suas ideias. E o "camarada", daí em diante, era livre de pensar tudo, porem, não poderia escrever nem falar...
     São literatos, "cultos", viajados, lidos, pensadores de rebanho, vão a igreja, beijam as mãos dos bispos, fraquentam as Lojas Maçônicas e defendem a ordem social constituída.
     Não é, pois de admirar que a mulher esteja nas mesmas condições, que repita e obedeça mentalmente. E a mulher ainda tem o que os homens apregoam de necessário para conte-la de moral social: o "freio" da religião.
     A civilização desdobra-se em mutiplas necessidades perfeitamente desnecessárias ao bem das criaturas humanas.
     Mas, o homem é obrigado a mil movimentos diários e sucessivos para obter o pão e o supérfluo.
     Daí, a inteligência a serviço da industrialização de tudo, inclusive do amor e das consciências.
     Daí, a imbecilidade, daí a vulgaridade, o reinado perververso das democracias, mediocridade.
     É o homem não tem tempo de pensar: repete. Si repete, acovarda-se. Aceita qualquer alimento espiritual proporcionado ao redíl humano.
     Não discute para aprender. Grita para impor. Não analisa. Incapaz de criar, incapaz de viver subjectivamente, incapaz de conhecer-se, incapaz de realizar-se.
     Quer "viver na vida". É salta por sobre o próximo, na velocidade da civilização.
     Matou o sentimento.
     É a razão? Matou também a razão. O homem é a máquina. Dentro dessa organização social de vampiros e truões, de caftens e João Minhoca acionados todos através dos cordéis, ser "indivíduo" – Homem ou Mulher – é bem difícil.
     Diógenes apagaria de vez a lanterna e se refugiaria para sempre, no fundo do tonél, mais céptico que nunca.
     As sociedades, as seduções do gozo material, a ambição, os dogmas da família, da religião, da pátria, da civilização, da rotina, dos prejuízos, sociais procuram impedir a realização interior.
     E é preciso desertar da sociedade — para chegar a tal resultado.
     E não é fácil ser anti-social.
     E não é heroísmo de fachada o heroísmo do desertor.
     Para reivindicar o direito de pensar, o homem ou a mulher tem de saltar por sobre milhares de símbolos, de prejuízos, de tradições, por sobre as "mentiras vitais" da civilização, por cima de todas as fraudes sociais.
     E tudo se resume no gesto de arrancar do pescoço o disco de gramofone da marcha de Rakoczy e reivindicar o direito de ter cabeça.
     Impossível essa atitude nobre e altiva, queremos se "damas" da sociedade, políticos ou acadêmicos, profetas, mestres ou sacerdotes...
     Homens e mulheres — discos de gramofone da moral e da ortopneia social.
     Equilibrado e harmonioso — o valor do rebanho humano!
     Anomalia! Loucura! Loucos os que denunciam os crimes de lesa-felicidade individual, os crimes de lesa-humanidade.
     Como é difícil no meu cérebro o conceito da dignidade humana!
     Aliás, é uma honra ser classificada por "anomalia" — quando não quer pisar o semelhante para vencer no "guignol" do trampolim social.
     E' uma honra essa loucura que não quer pactuar, que não quer ser cúmplice do vampirismo ou do caftismo social.
     A realização interior não é apenas questão de inteligência, não é problema de malabarismo de palavras.
     A inteligência não depende de cada um de nós: não há mérito na inteligência. O mérito, si pode ser controlado pelos outros, está na coragem heróica do desprezo aos bens materiais, à glória das arquibancadas sociais e ao "que poderão dizer?"
     O mérito, si existe, está em não balar junto ao rebanho humano, a voz da rotina e dos prejuízos servís dos domesticados.
     O mérito está na deserção.
     Consiste em ser anti-social.
     E' o heroísmo delicioso de ir contra a corrente.
     E' a coragem de ser "indivíduo" e conservar a dignidade humana em meio da ferocidade coletiva.
     É, si a inteligência não tem sexo, muitos menos sexo a coragem para enfrentar os capazes do rebanho social e negar-se a pactuar com a brutalidade da civilização das máquinas humanas e dos dólares desumanos.
     Quando o homem alía á mentalidade do pensador o sentimento do artista, Tagore, por exemplo — sensibilidade por assim dizer feminina, delicada na sua grandeza espiritual de maternidade ou de piedade humana, ninguém sente a anomalia.
     E, de fato, a evolução tem de levar a razão e o sentimento até a harmonia entre a mente e a sensibilidade interior — cérebro e coração — para um sonho mais alto, para uma concepção mais é levantada do problema da Vida.
     E quando uma mulher alía á sensibilidade feminina em sentido mais profundo da questão humana e eléva a sua razão a altura pouco acessíveis ao "boudoir" das preocupações vasías dos ócios masculinos e femininos; quan alça nas mãos o sentimento para faze-lo pairar á altura da razão, num esforço fantástico, num salto milenar, desde as éras medievais até o século da relatividade e do individualismo ryneriano da "vontade de harmonia", essa mulher faz mais do que esboçar o tipo de futuro no qual cantará o equilíbrio harmonioso entre o sentimento e a razão, entre o pensamento e a vida, — para mais profunda intuição, na escalada de um envolver mais amplo, para uma visão mais pura na fantasmagórica dos sonhos que sobem para as alturas.
     Nem a inteligência e privilégio do homem, nem o sentimento é apanágio exclusivo da mulher.
     Condenado á inação sob o ponto de vista intelectual o cérebro feminino é o reflexo da inteligência do homem.
     A mulher repete, obedece mentalmente. As suas idéias são convicções do coração... Ela pensa através do sentimento de simpatia ou amor dos que vivem ao lado da sua vida de odalisca ou de besta de carga, animal de tiro ou criadeira inconsciente como a encubadora que recebe os ovos por imposição.
     Uma grande  amiga costuma dizer-me: sempre estive a serviço...
     Sob todos os aspectos da vida, a mulher está a serviço.
     Não escapa a essa domesticidade, a essa fidelidade, a inteligência feminina, a serviço da mentalidade masculina.
     Na literatura, na poesia, pensadora ou artista, não tem fisionomia própria: está a serviço do passado, da rotina, dos preconceitos religiosos, políticos ou sociais, do modernismo, em arte ou dos revolucionários.
     Vivemos a civilização unisexual.
     Reivindicando os seus chamados direitos, dentro dos partidos, da lutas de classes, dos metodos de ação da política reacionária ou revolucionária, é impelida pelo homem, estimulada pelos chefes, — está sempre a serviço.
     Pouquíssimas no mundo inteiro, raríssimas as que põem a inteligência a serviço da sua própria consciência.
     Mas, não acontecerá o mesmo com os homens? São em número elevado os loucos anormais, as "anomalias" que saltam os tapumes do redíl social, arrancando da cabeça o disco de gramofone do simbolismo admirável de Andréas Latzko?
     São muitos os que souberam positivamente reivindicar o direito de ter cabeça?
     São em número considerável os que despresam o balar harmonioso dos rebanhos da parabola, a louvar os magarefes e os afiadores de facas?
     A grande maioria dos pensadores de rebanho, impermeável às verdades subjetivas emparedada dentro do ídolo majestoso da Rotina.
     Cultura de rebanho, os diplomas e as glórias das letras, das artes, das ciências, pensadores e filósofos, acadêmicos e doutores — a serviço da ordem social, do massacre humano, da civilização industrial, da concorrência, do canibalismo, do progresso material — todos tocam o disco da marcha vitoriosa da "mentiras vitais", dos ídolos, da tradição, dos dogmas e do "que poderão dizer?"
     A covardia mental é a mais poderosa das forças reacionárias.
     Respeitar, repetir, louvar — é a palavra de ordem social.
     E a mulher é a educadora da infância!
     Nas suas mãos está a escola.
     E quanto absurdo, quanto cretinice, quanta barbaridade patrioteira, quanta estupidez honrada e virtuosa eu ensinei na escola, á criança e á juventude!
     E' o que repetem os milhões de professoras pelo mundo inteiro — para a conservação do fóssil do passado reacionário do dominismo dos padres, dos reis, dos democratas demagogos, dos militares e do bezerro de ouro.
     Essa é a ordem social e nenhum instrumento mais apto á sua conservação embalsamada do que a mulher.
     Chegaremos a tempo de acordar os mortos?...
     Aprender a pensar e ter o heroísmo de pensar em voz alta não é privilégio do homem.
     E' certo: é mais fácil e mais cômodo vender-se á glória de picadeiro e arquibancadas patrióticas e religiosas, á sedução dos aplausos inconscientes das multidões, aos uniformes das academias, ás condecorações e títulos honoríficos, ao prestígio social.
     Não invejemos os mais belos talentos de subterfúgios, masculinos ou femininos, a serviço das leis, da ordem, da polícia, da sociedade dos crimes contra o gênero humano.
     Pertencer a uma grei, a um partido político, religioso ou social, ser o porta-voz de um dominismo contra outro dominismo — dá prestígio a nimba celebridades os nomes de advogados e políticos, de acadêmicos e militares, de sacerdotes e profetas.
     Nada de muletas.
     Nem uma muleta é capaz de nos trazer a felicidade interior.
     A humanidade não soube encontrar ainda a solução para as duas necessidade principais, os instintos predominantes do reino animal e seguiu rumo oposto á sabedoria dos chamados irracionais.
     Comer é Amar.
     E o gênero humano enlouquece, degenera-se, suicida-se, esmigalha as suas energias latentes mais admiráveis, cria a prostituição, as leis e o vampirismo social e tripudia por sobre os mais belos sentimentos e por sobre a pureza delicada de tudo que é puro e nobre e Santo — para satisfazer aos dois instintos predominantes.
     Só consegue desviar-se cada vez mais do objetivo.
     Todos insatisfeitos! Doloridos de fome ou indigestão. E famintos de amor.
     E seria tão simples. . .
     E é tal a complicação industrial e econômica, e é tal o gráo de civilização, que são consideradas "anomalias", as inteligências a serviço da volta á natureza, da vida simples, da realização interior — para a interpretação e solução do problema humano dentro da lei do Amor, solução que resumiria nos imortais postulados de ética:
     Sê tu mesmo.
     Conhece-te.
     Realiza-te.
     Faz o que quiseres.
     Não matarás.
     Ama ao teu próximo como a ti mesmo.
     Porque — Só para amar foi feita a vida.

Livro: Amai e... não vos multipliqueis 
Autor: Maria Lacerda de Moura 
Editora: Civilização Brasileira
Páginas: 27 á 37
Ano: 1932

sexta-feira, 8 de abril de 2016

DISCORRENDO SOBRE A ANARQUIA

     Anarquia soa aos ouvidos da maioria das pessoas como uma catástrofe, e\ou na melhor da hipóteses, como uma ideia ingênua, uma "saborosa" utopia.
     Falar de Anarquia significa, para muita gente, pregar o fim do mundo!!!
     E, curiosamente os que a temem, combatem ou denigrem, sem se lhes perguntar o que é Anarquia, não sabem defini-la concretamente. Assim mesmo são contra!!!
     Anarquia tem adversários e inimigos, à esquerda, à direita, ao centro e os que ouviram os outros dizer que é irrealizável. Muitos cursaram universidades, são professores eméritos, escritores, historiadores, poetas, advogados, políticos, bem falantes, autoridades altamente credenciadas e premiadas; outros são simplesmente comerciantes, burgueses, socialistas, bolchevistas, fascistas, artistas, formados nas faculdades de oficinas, da fabrica, do campo, do mar, e\ou condidatos a governantes, todos "grandes" conhecedores das ideias anarquistas colhidas nos dicionários, nas enciclopédias e nos relatórios policiais.
     Seus críticos raramente se dão ao trabalho de ler as obras dos anarquistas, a sua imprensa. Formam uma imagem negativas da sua doutrina antes de a conhecer, de a ter estudado. Procedem de forma inversa dos católicos. A maioria destes acredita no que diz a Bíblia sem tê-la lido. Os adversários do Anarquismo não leram sobre ele. Daí usar-se, frequentemente, o vocábulo Anarquia como sinônimo de desordem, e o de anarquista como um amante da violência, um demolidor da Sociedade!
     Para os mais generosos, o anarquista é "um visionário, sonhador, utopista".
     Por contar com tantos inimigos - apesar de nunca ter deflagrado nenhuma guerra, nem construído campos de concentração e\ou manicômios para discordantes políticos - muitos anarquistas sofreram longos anos de cativeiros, foram condenados a morte nos Estados Unidos (mártires de Chicago, Sacco e Vanzetti, etc), na Russia (Fany Baron, Lidia Kortneva e outros), na Espanha ( F. Ferrer e centenas de companheiros), no Brasil (Polenice Mattei, Pedro A. Mota, Nicolau Parada, etc.), em Portugal (Arnaldo S. Januário, Mário Castelhano, e outros) e ninguém se dá ao trabalho de conhecer o anarquista como ser humano, de investigar seu comportamento, suas convicções ideológicas, humanistas, as idéias que defende e divulga em forma de mensagem e emancipação humana, de igualdade social.
     A sociedade mercantilista e bélica em que vive oferece-lhe contraste chocantes: gente demasiado rica e gente cheia de fome, morrendo lentamente de fome; governo e povo fabricando e comprando armas para se defenderem de gente que compra armas; homem planejando belos aparelhos com riqueza de detalhes, dentro da mais avançada tecnologia e incapaz de construir a sua própria felicidade; estudiosos da natureza que não fazem outra coisa senão destruir cada dia um pedacinho desse bem precioso que nos deu a vida.
     Opondo-se a sociedade onde o homem é o maior inimigo do homem, as distância porventura existentes na atualidade vêm sendo propagadas a longos anos pelos que desejam poder explorar e estragar o produto do trabalho alheio, "direito" consolidado pelos Governos e pelo Estado.
     Dentro deste quadro, o Anarquismo é uma ideologia temida e respeitada.
     Seus inimigos são muitos! Uns têm medo de perder privilégios econômicos, hierarquias profissionais, sociais e de conforto; outros por indolência mental, por incapacidade intelectual de entendê-lo, e os dotados de rasgos autoritários e\ou aninhados em seus inconscientes, preferem as ditaduras. Dentro destas não precisam de raciocinar, terão quem o faça por eles... será só mandar e\ou obedecer.
     Espremido entre a realidade e a fantasia, entre o SER e o PARECER, vamos discorrer livremente sobre deformações do homem, ver quem são os seus inimigos e até onde Anarquia e ordem podem conviver juntas sem se acotovelar e agredir. Até onde o homem é responsável pela violência e a desigualdade em nossos dias.

Extraído:

Titulo: Quem tem medo do anarquismo?
Autor: Edgar Rodrigues
Editora: Achiamé
Paginas: 13 á 14
Ano: 1992

quarta-feira, 30 de março de 2016

PARA O DESPERTAR DA MULHER

     Duas distintas senhoras residentes em Santos procuraram-me para me dar o prazer de muito honroso convite.
     Na capital em Santos, com tendências para se alargar pelo interior do Estado e por todo o Brasil, trata-se da fundação de um Centro de Estudos Sociais para o despertar da mulher.
     Inútil é dizer: A ideia fez vibrar o meu entusiasmo de batalhadora impenitente em prol da emancipação feminina.
     -Que vos posso eu dar, ilustres descendentes dos Bandeirantes?
     O mealheiro parco da minha pena corajosa, da minha palavra rebelde.
     Um coração que pulsa ao contato da Dor Universal.
     E é só porque sou eu mesma.
     -Qual o papel da pensadora de agora, nesse período tumultuoso de transição social?
     É o seu dever sair despertando alvoradas de vidas...
     As idéias se entrechocam a cada passo, parece que ninguém se entende; a intolerância, o sectarismo abrangem todo campo de ação.
     Por toda parte se fundam "ligas" e associações que morrem, outras que vencem, outras que degeneram, outras que caem na rotina, e - tudo continua na mesma.
     A solução não foi encontrada.
     O pensamento humano caminha num caos.
     O sentimento se desgasta, o caráter é quase mito. Entre nós (e as idéias se fundem em hipóteses para o advento de outros sonhos) não há espírito associativo.
     Entre os elementos feminino as dificuldades nos representam-se mais fortes.
     A mulher brasileira não foi habituada a pensar.
     Educada sobre os prismas diversos - para brilhar para a sociedade ou para a sociedade de ação e se deixa ficar, inconsciente, adormecida.
     Não imagina que os males da civilização têm o seu ponto de apoio no regaço feminino.
     Não raciocina que giramos nem circulo vicioso: é a mulher que compete educar o homem? Está preparada para essa nobre tarefa?
     O homem lhe oferece meios para isso? Na evolução humana não foram cerceados os direitos femininos?
     A escravidão secular da mulher não determinou um tipo comum?
     Esse é quem estará em condições agora de ser o encaminhador das gerações
     O homem é quem deve educar a mulher ou a mulher, naturalmente, a educadora do homem?
     E se ela se desviou na sua evolução lenta através de uma vida apagada mentalmente?
     E as suas faculdades intelectuais que dormem na inconsciência de uma apatia secular?
     E ela não imagina que tem o seu quinhão no eleijão "melindrosa" e na degenerescência "almofadinha".
     Não vê o seu cérebro, não acredita nas suas energias, não se considera capaz de colaborar com o homem para o advento de sociedade mais alta, na amplitude de idéias menos estreitas.
     Assim, qualquer iniciativa feminina deve ser aceita por toda gente que pensa no bem-estar coletivo, porquanto - educar a mulher, fazer-la  sentir a missão regeneradora confiada a seu sexo - é iluminar melhor todos os desvãos da sociedade, é acender um foco de luz em casa consciência.
     São os primeiros ensaios para esse espirito de solidariedade.
     Aqui, além, acolá, onde quer que apareça um grupo de senhoras de boa vontade - que todos estendam as mãos: é o acordar da letargia milenar.
     Existem centenas de associações. Que importa? Façamos outras. Um dia sentiremos, de mais perto, a necessidade da união de todas as mulheres e de todos os homens para a obra coletiva da fraternidade humana.
     São pequeninos pontos de apoio para a naturezas ainda escravizadas ao contato de preconceitos sociais.
     Que mal há que as mulheres se reúnam em bairros, em quarteirões, em cada canto das cidades se elas vão tratar da mulher e da criança, do lar e da vida?
     Oxalá, em cada rua houvesse uma associação feminina para estudar problemas sérios!
     Então teríamos a certeza de que em breve essas pequenas colunas se ergueriam em formidáveis sustentáculos de sociedade menos egoísta, menos corrompida.
     É assim, que eu ofereço o que melhor tenho de mim mesma a todas as mulheres que me dão a mãos num gesto solidário, em busca da solução definitiva - o bem estar para toda a gente.
     O radicalismo só é permitido em tratamento de casos da consciência.
     Quando a mim tenho os meus princípios, defendendo-os responsabilizando-me pelo meu verbo. Penso e digo o que sinto, corajosa, ousadamente.
     Não tenho porém o direito de atirar o primeiro nem a ultima pedra naquele que, inconscientemente talvez, abrange ponto de vista menos amplo ao meu ver.
     Nesse caso compete estudar as causas determinantes de um temperamento leviano, fútil, egoísta ou mundano.
     Nesse caso é preciso aquilatar das forças latentes do nosso companheiro de ação.
     É imprescindível analisar as causas psicológicas e as convicções sociais que formaram tal tipo.
     É preciso procurar impulsionar tais indivíduos de acordo com as suas capacidades de criar e desenvolver, pelo menos.
     É necessário elevanta-lo um pouco mai, fazer entrar, nesse desenvolvimento, fatores sociológicos, processos de evolução natural - psicológicos, éticos e determinar para modificações lentas e salutares.
     A natureza não dá saltos.
     Séculos de escravidão feminina não podem permitir que a mulher se faça criatura perfeita mentalmente de um dia para outro.
     Impossível exigir, com palavras, da "melindrosa" que ela não seja melindrosa. Esse desvio da coluna vertebral da humanidade foi o resultado de descuido, proveio de um tombo...
     Parabéns ás senhoras paulistanas e santistas na sua obra de redenção.
     A questão capital não é a filantropia ou a escola, tal como as conhecemos.
     Nas cidades a escola existe e... as civilizações (as avessas) partem dos grandes centros para o interior. A educação, tal como vemos, é "deseducação".
     Quando à filantropia: uma criança levantada dos ralos de esgoto públicos não impede que milhares de outras desgraçadinhas ali sejam atiradas.
     O que é urgente é despertar a mulher para os outros sonhos, quiçá, mais amplos na vastidão dos problemas insolúveis dentro do regime da atual organização social.

MARIA LACERDA DE MOURA
( A TRIBUNA - Sábado, 08 de Outubro de 1921 )
 

 Extraído:
Livro: Serviço Militar Obrigatório Para Mulher? Recuso-me! Denuncio! (e outros escritos)
Autora: Maria Lacerda De Moura
Editora: Opúsculo Libertário
Paginas: 45 á 49
Ano: originalmente em 1933- 3º reedição 1999